terça-feira, 25 de setembro de 2018

Bahia de todas as cores

Babu Seteoito representa o grafite cuiabano no museu a céu aberto em Salvador

7
Texto: Ahmad Jarrah
Fotos: Ahmad Jarrah, Babu Seteoito, Bruna Obadowski, Roberto Faria
Vídeos: Babu Seteoito

Grafite é arte de desconstruir os muros, de implodi-los em sua construção material homogênea, cinzenta e fria. É uma maneira de transformar uma parede que divide espaços, em um portal que se abre para novos mundos, aproxima ao invés de separar.

Babu Seteoito

Não lembro quando conheci Babu Seteoito, só sei que foi na rua. Há mais de uma década tem levado cores para os muros das cidades, é o mais expressivo grafiteiro de Mato Grosso e uma referência para gerações de artistas urbanos. Já passou por diversas cidades do país, incluindo Rio Branco, no Acre, onde tive a surpresa de encontra-lo grafitando enquanto participava da primeira edição do Festival Varadouro.

Bruna Obadowski

Não há, em Cuiabá, qualquer ponto que não possamos encontrar suas marcas. A cultura de rua nos remete à coletividade, à liberdade para um artista intervir e dialogar com a obra do outro, por ser pública. A exemplo disso, uma intervenção na intervenção, o grafite compondo com um lambe-lambe uma nova obra, uma outra mensagem. Ou ainda, um colorido trabalho com o artista plástico Rafael Jonnier, que fotografei.

Ahmad Jarrah

A trajetória profissional levou Babu Seteoito nesta semana à Salvador, na Bahia, para participar com outras dezenas de grafiteiros de todo Brasil, do evento Bahia de Todas as Cores, uma demonstração de potência e coletividade da arte de rua.

Babu Seteoito

Babu Seteoito

Babu Seteoito

Foram alguns dias grafitando em um museu a céu aberto, que se transformou numa babilônica obra coletiva. Babu documentou em foto e vídeo o processo, e o fotógrafo Roberto Faria registrou o trabalho final.

Roberto Faria

Roberto Faria