A imersão do olhar

Muitos trabalhos artísticos se tornam imprescindíveis para narrar a essência de nossa cultura. Um desses trabalhos é, sem dúvida, o de tornar visíveis diferentes realidades por meio da fotografia e do vídeo documental. Esse é o caminho escolhido pelo documentarista mato-grossense Henrique Santian, que lança seu primeiro site para compartilhar livremente suas vivências e experimentações no mundo de imagens e narrativas possíveis.

O site reúne mais de dois mil projetos do artista, com reportagens, documentários, exposições, mostras, séries e experimentações multi-expressivas. Trabalhos como “A Terra Sagrada WAUJA \ XINGU”, que teve como cenário a aldeia Piyulaga, agora está livre para acesso.




A vivência na aldeia possibilitou a documentação de um importante ritual, que reúne representantes de todos os povos alto-xinguanos: o Kwarup. Conhecido entre os Wauja por Kaumai, este ritual vem homenagear os mortos ilustres, tendo por objetivo original trazer os mortos de volta à vida. A Terra Sagrada, assim como diversos álbuns, marca a particularidade do trabalho e do olhar sensível e humano do artista, além de servir como uma grande fonte etnográfica para os amantes e pesquisadores da cultura indígena.

Além de projetos fotográficos, o site traz a história e trajetória do documentário “A Fé de Francisca”, lançado em 2018. Trata-se de uma grande homenagem em vida à benzedeira Francisca Correia da Costa, 104 anos, nascida na região de Lixeira, em Lagoinha de Baixo, zona rural de Chapada dos Guimarães MT, Francisca, mãe de 12 filhos, parteira desde os seus 10 anos de idade. O documentário que esteve disponível para acesso livre no site A Lente no mês de março, agora segue para competição nos festivais de cinema de todo o Brasil.

O site, que levou quase dois anos de organização dos materiais para o lançamento, reúne parceiros entre ongs e institutos que dialogam com os ideais éticos e afetivos do artista, entre eles a OnF Brasil e a Operação Amazônia Nativa (OPAN).

O site entra no ar disponibilizando de forma gratuita o acesso a todos os materiais já produzidos pelo artista-documentarista. Segundo ele, em meio à Pandemia do Coronavírus, é essencial pensar no coletivo e colaborar de todas as formas possíveis.

Há pessoas em casa querendo se ocupar com assuntos das mais diversas singularidades e poder ajudar compartilhando o que tenho é fundamental.

Para conhecer o novo site e o trabalho de Santian, basta acessar os conteúdos já disponíveis aqui: be.net/santian

Henrique Santian é fotógrafo documentarista, artista visual multimídia / videomaker, pesquisador musical, Nascido em 1989 na cidade de Sorriso, norte de Mato Grosso.
Santian desde os 15 anos se revela na fotografia, tendo conquistado boa parte de seu repertorio de forma autodidata. Formado pela escola de fotografia Omicron no ano de 2014.Realiza trabalhos com a fotografia documental e artística há mais de 10 anos, atuando no mercado com 23 exposições, 16 projetos e oficinas de fotografia.Trabalhando também com vídeo arte e documentário. Apresenta performance de pesquisas musicais em dois projetos.Desde 2016 trabalha com oficinas e vivências em diferentes formatos, trabalhou no projeto Núcleo de Cinema de Poconé, onde desenvolveu com as comunidades quilombolas uma série de documentários.Trabalha como autônomo onde desenvolve uma série de projetos com Ongs, Institutos e empresas, tais como; HOMEM BRASILEIRO INSTITUTO (arqueologia), ONFBRASIL / projeto petra, EARTH INNOVATION (Instituto), OPAN (Operação Amazônia Nativa) – projeto irehi, Sesc Pantanal Parque Baía das Pedras / SESC (Poconé)Sesc Arsenal (Cuiabá).

Leia Mais
Os 113 anos de Antônio Mulato