A natureza do corpo

Texto: Bruna Obadowski
Fotos: Claire Jean

Nada indicava que ela fotografaria um dia. Química, por formação, Claire Jean trabalhava em um laboratório de genética na França, quando a vida entre quatro paredes passou a incomodá-la, resultando em uma viagem de veleiro pelo Atlântico, até desembarcar com seu esposo no Brasil. Claire fez a escolha de ter uma vida no campo e se estabeleceu na área rural durante seus primeiros vinte anos, vivendo em uma fazenda na Paraíba. Após esse tempo, uma virada mudaria sua vida, a separação de seu esposo estabeleceria sua aproximação com a fotografia, primeiramente como uma forma de terapia.

Iniciou com auto-retratos, sempre relacionando o corpo e a natureza, vínculo que prosseguiria como principal expressão do seu trabalho fotográfico, de uma estética tão singular. Vários amigos começaram a se dispor para seus ensaios, e assim Claire foi constituindo sua obra, tanto do ponto de vista estético, de composição e cores, quanto pela perspectiva política, uma vez em que há uma visível crítica questionando a relação do ser humano e a natureza. “A ideia é mostrar que a gente tem que cuidar mais da natureza, pois somos parte disso. Por isso o corpo nú, sem nada da criação humana, e ‘vestido’ com coisas orgânicas, tinta ou argila”. Quando Susan Sontag relata que toda fotografia de uma outra pessoa é um auto-retrato do fotógrafo, percebemos o quanto isso cabe à Claire.

Suas imagens são um deleite sensorial, poesia feita de luz e cores, corpos que se integram às exuberantes paisagens, que produzem toda sorte de significados para quem às contempla. Outras vezes, essa conexão revela o resultado da intervenção humana, o lixo, a seca e a morte também são elementos presentes que delineiam a crítica em seu trabalho.

Há uma aura feminina envolvente no processo fotográfico de Claire, presentificada diretamente nas fotografias. A natureza aqui se conecta com a singularidade dos movimentos dos corpos, que a todo tempo formam vetores de uma natureza feminina, uma Gaia que também sofre o assédio e a intervenção por mãos tradicionalmente masculinas.

A fotografia como arte se livra de padrões opressivos de perfeição, e Claire trabalha muito bem com a assimetria dos corpos. Em um marcante exemplo, relaciona a perda de um membro do corpo a um caule amputado, uma demonstração da potência e relevância de sua obra.

Preza pela luz e ambientes naturais e utiliza isso na composição, rendendo sempre novas criações, levando o trabalho da fotógrafa-artista a estar em constante evolução. Recentemente, foi convidada a fazer um ensaio de um casal em uma comunidade naturista em São Paulo. O trabalho acabou virando uma imersão na comunidade, retratando quase setenta pessoas “que não possuem preconceitos com a nudez, famílias, jovens, velhos, gordos, magros, e é aí onde está a essência do ser humano, conhecer as pessoas nuas é conhecer a essência das pessoas antes de saber quem elas são”.

A qualidade profissional do trabalho é surpreendente, ainda que Claire não se intitule profissional por “não querer perder esse espírito amador, que é uma coisa que apaixona, que cola na tua pele”. Não sobrevive diretamente da fotografia, porém recentemente teve um prejuízo financeiro decorrente do furto de equipamentos e agora reflete a possibilidade de transformar a fotografia em fonte de renda, pela necessidade.

Atualmente residindo em Recife, Claire Jean já coleciona alguns relevantes prêmios em seu histórico, como Marc Ferrez de Fotografia e Fotografe melhor LEICA. Passou recentemente pela Casa Cultural Villa Ritinha em Recife com a exposição “Olhares entre mundos”. O belo trabalho de Jean, e sua expressão singular na fotografia estará presente no próximo dia 14 no consulado francês, em comemoração ao Dia Nacional da França, em Recife.

Leia Mais
Vida de mulher, sonhos de menina