Corrida pela vida

Texto: Ahmad Jarrah e Bruna Obadowski
Fotos: Ahmad Jarrah
* Esta reportagem foi publicada em parceria com a Mídia Ninja
* Atualizada em 26 de março.

Uma mulher da etnia Xavante, moradora da Aldeia Nova Esperança, próximo ao município de Barra do Garças, Solange, 38 anos, faleceu na tarde de segunda-feira (23) em uma Unidade de Pronto Atendimento do município, com síndrome de angústia respiratória aguda e pneumonia, sintomas associados ao coronavírus. Amostras de sangue foram coletadas e o exame realizado pelo LACEN não detectou a presença do Covid-19.

A filha e a neta de Solange estão internadas na UTI com os mesmos sintomas, dispneia, desconforto respiratório, febre alta e tosse. Lideranças da comunidade estão preocupadas com o caso.

Em Mato Grosso, mais de duzentas pessoas aguardam resultados de exames, entretanto, entre os indígenas esses são os primeiros casos suspeitos no Brasil. A notícia deixou os Xavantes em alerta, uma vez que existem outros casos de óbito por pneumonia e muitas pessoas com sintomas gripais em outras aldeias. Dizem temer o extermínio de toda uma geração.

As lideranças Xavantes afirmam que seguem esquecidos pelo Governo Federal, e por mobilização e iniciativa própria estão orientando o isolamento, compartilhando informações e métodos de prevenção com as comunidades.

Os próprios Xavantes trataram de isolar as aldeias, porém sem nenhuma política efetiva de assistência aos indígenas, por parte do Governo Federal, temem que muito em breve faltem mantimentos. As famílias estão apreensivas e se sentindo abandonadas, relataram duas lideranças da comunidade, e há neste momento uma iniciativa que busca distribuir duas mil cestas básicas pelas aldeias, para que as famílias não precisem ir à cidade comprar.

Na esfera nacional, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, não direcionou ainda nenhum esforço, política preventiva, ou apoio aos indígenas e a Funai agoniza sob o desmonte do Governo Federal. No momento existem duas grandes preocupações na Terra Indígena São Marcos, a falta de recursos e de alimentos, uma vez que somente na cidade é possível encontrá-los. 

De acordo com lideranças Xavantes, o cenário hoje nas aldeias é de fragilidade perante à pandemia. Com muitos indígenas já acometidos por gripe, viroses e com a imunidade baixa, relatam, com apreensão, que caso o coronavírus tenha chegado, de fato, às aldeias, provocará um cenário de sofrimento e extermínio.

A resistência Xavante pela sobrevivência

Não é de hoje que os Xavantes resistem bravamente em seu território. Em 2019, durante o período de estiagem, os povos indígenas sofreram com as queimadas que assolaram suas terras. Depois de terem aldeias inteiras incendiadas e suas vidas transformadas pelo fogo, agora começam a corrida pela vida contra o coronavírus. Ao que tudo indica, serão deixados à sua própria sorte. Morrerão pela inércia do poder público e pela política de extermínio contra os povos indígenas promovidas pelo Governo Federal?

Leia Mais
Legado e lembranças do Rei do Baião